Suicídio: prevenir é acolher

Falar de um tema complexo como suicídio é desafiador. No entanto, é mais do que necessário. Passou-se o tempo em que se acreditava que o melhor a fazer é abafar o assunto. Desmistificar o tema é uma questão de prevenção, de acolhimento, de saúde pública – no ano passado, foram 20 óbitos em decorrência de suicídio em Venâncio Aires. Falar é, sim, a solução. Mas, para que esse diálogo seja realmente proveitoso, é preciso uma escuta ativa: sem julgamentos, de forma atenta e interessada.

Nessa semana, eu e demais colegas da Folha do Mate tivemos a oportunidade de aprender mais sobre o assunto e sobre o quanto podemos fazer a diferença. Na manhã de terça-feira, participamos de um bate-papo com integrantes do Comitê de Prevenção ao Suicídio de Venâncio Aires.

A psicóloga Zamara Silveira, presidente do Comitê, e a enfermeira Josimara Eisermann, abordaram o tema ‘Como falar sobre suicídio’, dentro do projeto ‘Informar é prevenir’, por meio do qual são realizadas palestras, de forma voluntária, ao longo de todo o ano, em empresas ou escolas de Venâncio Aires.

Entre os principais aspectos enfatizados na conversa está o fato de que “prevenir é acolher”. Para isso, precisamos estar atentos aos sinais que familiares, amigos ou colegas de trabalho podem indicar. Tristeza excessiva, mudanças de comportamento e frases como “não aguento mais”, “quero morrer” ou “não quero ser um fardo para minha família” são sinais de alerta. Nesse caso, uma conversa atenta, um abraço afetuoso e a orientação para buscar atendimento profissional podem fazer toda a diferença.

Anotei uma frase destacada pelas integrantes do Comitê, que considero importante lembrarmos sempre: “Não precisamos e não devemos ser fortes o tempo todo.” Momentos ruins são naturais e fazem parte da vida. Se você estiver passando por um deles, lembre-se que tudo passa e busque ajuda. Se ver que alguém ao seu redor está enfrentando um momento difícil, ofereça auxílio e oriente a buscar a rede de saúde. Todos nós podemos fazer a diferença!

Onde buscar ajuda

• Unidades básicas de saúde, Centro de Atenção Psicossocial (Caps)
• Por meio das redes sociais, pelo Instagram @comitesuicidiova ou Facebook Comitê Municipal de Prevenção dos Suicídios de Venâncio Aires
• Pelo telefone gratuito 188, do Centro de Valorização da Vida (CVV)

Repercussão

O lançamento do site Venâncio na História repercutiu positivamente na última semana. Ao longo dos últimos dias, a Folha do Mate recebeu diversos contatos de professores que já estão utilizando a plataforma com conteúdos sobre a história e a geografia do município com os estudantes. Além dos textos e vídeos, as atividades disponíveis para impressão e os jogos de perguntas e respostas on-line (quiz) são opções para aprender mais sobre a Capital do Chimarrão de forma descontraída.

O projeto da Folha do Mate também foi destaque no site Coletiva.net, referência na divulgação de novidades sobre veículos de comunicação do Rio Grande do Sul, e na publicação Jornalistas&Cia, informativo semanal produzido pela Jornalistas Editora Ltda, com abrangência nacional.

Se você ainda não conferiu a novidade, acesse venancionahistoria.com.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques