Setor empresarial engajado

No fim de semana e também na edição de hoje, a Folha do Mate destaca a nova mobilização regional pela retomada das obras da ERS-244, estrada que liga Venâncio Aires a Vale Verde.
Além dos agentes políticos (prefeitos, deputados, vereadores, secretários), a força-tarefa também terá apoio da Câmara do Comércio, Indústria e Serviços de Venâncio Aires (Caciva). Junto ao Governo do Estado, o grupo quer reforçar a importância da obra para o desenvolvimento econômico da região, o que inclui o escoamento da produção industrial e agrícola, desafogar a RSC-287 e o fomento ao turismo.
Na região, outro exemplo de engajamento empresarial em prol de obras de infraestrutura é a iniciativa da Associação de Entidades Empresariais de Santa Cruz do Sul (Assemp). A entidade lançou, na última semana, uma campanha para captar recursos para a elaboração do projeto Duplica BR 471, que visa a duplicação do perímetro urbano da BR-471.
Também foi de uma entidade empresarial – a Associação Comercial e Industrial (ACI) de Santa Cruz do Sul – a criação do movimento Duplica 287, que buscou pressionar pela concessão e duplicação da RSC-287. No mês que vem, esta será a primeira rodovia administrada pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) a ser concedida à iniciativa privada.

Temporal

O temporal registrado na noite de sábado, 5, deixou milhares de pessoas sem energia elétrica em Venâncio Aires e região. Mais uma vez, as localidades mais distantes da região central, como a região serrana, foram prejudicadas com a demora no restabelecimento da energia. Na área urbana, a sinaleira da RSC-453, que frequentemente está sem funcionar, voltou a apresentar problemas, após o temporal. Segundo a Prefeitura, técnicos da empresa responsável pela manutenção acreditam que o temporal tenha causado problemas na placa do equipamento. O Departamento de Trânsito pediu agilidade nos reparos.

“Viemos de um cenário ruim, no mês de março, e ninguém quer repetir esse cenário […] Temos que entender que Venâncio não é uma ilha e estamos com cidades muito próximas, em situações epidemiológicas muito graves. Por isso, não podemos deixar a nossa situação piorar, temos que fazer a nossa parte.”
Daniele Mohr – Fiscal de Posturas e coordenadora técnica da Secretaria da Fazenda de Venâncio Aires.

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques