Prefeito incomodado

O prefeito Giovane Wickert está incomodado com a série de impasses instalados em Venâncio Aires nos últimos meses. Ontem pela manhã, em reunião com integrantes da equipe diretiva da Escola Odila Rosa Scherer e representantes da Secretaria de Educação – sobre a questão do ginásio de esportes -, o chefe do Executivo fez um desabafo, sinalizando que questões políticas têm influenciado em algumas situações, gerando desgastes para a Administração. Além do ginásio, Wickert citou os episódios do Casva, do Calçadão e das obras de esgotamento sanitário da Corsan, que têm causado dor de cabeça e manifestação intensa da comunidade. “Todo mundo dá pitaco, todo mundo tem uma solução para tudo, mas no fim das contas, quem resolve é a Administração”, declarou.

PEDIDOS PARA O PAPA

A quarta-feira, véspera deste 25 de julho, realmente esteve longe de ser ‘leve’ para Wickert. À tarde, em coletiva de imprensa convocada por ele para falar do Calçadão, Praça Matriz, parada de ônibus e ruas que serão consertadas por empresas terceirizadas da Corsan, voltou a se queixar. “Quem foi à Promotoria pedir, que providencie a audiência pública (sobre o Calçadão). Não vou mais discutir o que já foi discutido. Às vezes, parece que eu preciso pedir para o Papa, no Vaticano, para conseguir certas autorizações”, disparou ele. Wickert está de férias a partir de segunda-feira, 29, e retoma as atividades no dia 5 de agosto. Um tempo para respirar, recarregar as baterias e se afastar do ‘inferno astral’.

DETTENBORN CONTRA-ATACA

Fabiano Dettenborn, sócio da Dettenborn & Cia Ltda, que na segunda-feira, 22, anunciou a rescisão de contrato com o Município para as obras de revitalização da Praça Matriz, entrou em contato com a coluna para dizer que não gostou da manifestação do prefeito Giovane Wickert após confirmação do afastamento da empresa. “Ele fez uma transmissão nas redes sociais dizendo que a empresa era inexperiente e também citou morosidade. Só se esqueceu que, para vencer a licitação, atestamos a nossa capacidade técnica”, afirmou. Dettenborn ressaltou que a empresa jamais deixou de cumprir o cronograma de obras e que optou pela rescisão do contrato por falta de pagamento. “Protocolamos o pedido de rescisão no dia 15 de maio, mas ele foi ignorado e houve tentativas de que seguíssemos com as obras. Não queremos criar atrito, porém não vamos permitir que o nome da nossa empresa, que é corretíssima, seja alvo de difamação”, declarou.

CHUVA NÃO DÁ TRÉGUA

A chuva não deu trégua nas últimas horas na Capital Nacional do Chimarrão e, ontem mesmo, o Corpo de Bombeiros precisou auxiliar famílias residentes em Linha Marechal Floriano, que tiveram suas casas atingidas pela água. Na região baixa da cidade, os moradores já estão em alerta e temem que a água inunde residências. Nas redes sociais, os comentários sobre aterramentos no Loteamento Artus e bairro Morsch voltaram a aparecer.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome