O bad boy rubro-negro

Arte sobre fotos/Rui Borgmann/InVoga Assessoria

Personalidade forte, gênio difícil, por vezes teimoso, ao mesmo tempo amável e imprescindível na escalação do time juvenil do Guarani. Assim é Felipe Kunzler, de apenas 16 anos. Ele tem feito a diferença nos últimos jogos. Natural de Arroio do Meio, é um dos cinco meninos que são de fora de Venâncio Aires e que deixaram o aconchego dos familiares para defender a camisa rubro-negra no campeonato gaúcho.

Morando longe de casa, não tem contato com seu pai biológico. A mãe, o padrasto e a avó são sua base. Talvez justifique o lado travesso do garoto, sempre aprontando e animando seja qualquer ambiente que está. Tem no futebol a sua maior meta para provar que é capaz de superar os desafios e alcançar os objetivos.

Felipe abriu caminho na vitória por 2 x 1 sobre o União Harmonia com um belo gol e foi abraçar Alex Klafke, seu tutor e responsável por dar a segunda oportunidade e confiar no menino, que até então seria dispensado por faltar à escola por vários dias seguidos. No grupo há uma regra: quem não estudar também não tem chance de sonhar em ser um jogador de futebol. E Felipe tem essa ambição.

Conselhos e mais conselhos dos familiares e da ‘segunda mãe’ Lucimara, na casa onde reside com mais quatro colegas, fez Felipe voltar à sala de aula e por consequência ganhar autoestima e melhorar seu desempenho em campo. No Sete de Setembro, onde também joga pelos Aspirantes no Regional da Aslivata, fez um gol do meio de campo, no gramado do Flor de Maio, em Linha Travessa.

Para o jogo deste sábado, onde vale a classificação antecipada para a terceira fase do Estadual, Felipe treinou cobranças de faltas e pretende fazer gol e, quem sabe, dedicar a mais alguém que tanto o apoia. Segue em frente, bad boy; tu tens amigos, família e teu coração é de ouro. Teu caminho está trilhado, depende de ti!

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome