A histeria sobre a cloroquina

A hidroxicloroquina, medicamento produzido para tratar a febre amarela, virou debate político na pandemia do coronavírus. E virou um debate raivoso. O presidente Bolsonaro defende o uso da cloroquina enquanto não tiver remédio específico. E se criou uma ‘guerra’. A grande imprensa, a esquerda, a OMS, a ciência, todos se voltaram contra. Quando a epidemia de zikavírus atingiu o Brasil em 2015, sem um medicamento de combate específico, a cloroquina foi usada, sem as contestações de agora.

Esse debate raivoso só traz prejuízos. Os bolsonaristas defendem o uso do medicamento livre. A oposição, a grande imprensa e as instituições ideologizadas, recriminam.

A Folha ouviu nesta semana a médica infectologista Sandra Knudsen a respeito dos protocolos utilizados no hospital São Sebastião Mártir, que seguiam o protocolo do Ministério da Saúde para o uso da hidroxicloroquina. Para os sintomas iniciais de febre, tosse e dor de garganta, são utilizados antibióticos, pois pode não ser coronavírus. Quando o quadro se agrava, como falta de ar, é usada a hidroxicloroquina na composição do tratamento. Mas ontem o Ministério da Saúde anunciou novo protocolo, que libera o uso da hidroxicloroquina quando os primeiros sintomas aparecem. Vai acirrar o debate.

 

Notinhas

* Nessa paranoia do hidroxicloroquina, ouvi esse comentário bolsonarista no final de semana: Se o Bolsonaro disser que ‘neosaldina’ é bom para dor de cabeça, a esquerda, a grande imprensa e as ‘instituições’ vão ‘provar’ que ela faz mal para a saúde.

* Aqui o vice-prefeito Celso Krämer (PTB) confirmou na terça a posse do advogado Mateus Deitos da Rosa, na secretaria da Habitação e Desenvolvimento Social, pasta sem titular desde que o vereador Arnildo Câmara (PTB) voltou ao Legislativo, no início do ano. Todas as secretarias do PTB, do vice-prefeito Celso, que estavam sem titular desde a saída – no início de abril – dos secretários que querem concorrer em outubro, já foram preenchidas com novos titulares. As do PSB, do prefeito Giovane, ainda seguem sendo acumuladas por outras pastas com assessores administrativos, os nº 2 de cada pasta, respondendo pelo dia a dia.

* O Congresso avalia adiar as eleições municipais de outubro para dezembro. Estender mandatos de prefeitos e vereadores até 2022, para coincidir uma eleição geral, está fora de cogitação para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ). O Congresso tem interesse em manter o pula-pula de candidaturas a cada dois anos.

* Presidente Bolsonaro chamou governadores hoje ao Planalto para falar sobre o auxílio aprovado para estados e municípios. Encontro que vai ser transformado em polêmica. Se não tiver na mesa, Globo, Folha S. Paulo, Estadão e ‘puxadinhos’, fazem. Podem anotar.

 

Do Twitter

* Estadão: Ministério da Saúde libera cloroquina para todos pacientes com coronavírus.

* Folha S. Paulo: Ainda bem que natureza criou esse monstro do coronavírus, diz Lula ao atacar Bolsonaro.

* Veja: Regina Duarte deixa Secretaria da Cultura após 4 meses no cargo.

* Carolina Bahia: A portaria que libera a cloroquina para casos iniciais, determina que o paciente precisa autorizar o uso. O documento que ele tem que assinar alerta que não existe comprovação de resultados positivos e que pode até agravar a situação clínica.

* Sergio Turra: Quando se dizia que a esquerda estava comemorando o vírus muitos não acreditavam. Então o Lula veio e desenhou. É muita estupidez.

* Cristian Deves: Já que agora da para conseguir assistir as reuniões Presidenciais, tem como conseguir aquela que autoriza a compra superfaturada da Refinaria de Pasadena?

* Cleber Benvegnu: Tem governante que mede sua popularidade por acordos e elogios da imprensa. Cabeça parou nos anos 80. O povo é outra coisa.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome