Jornalismo que não constrói

Todo mundo ‘caiu de pau’ na Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a advogada e pastora evangélica Damares Alves, por ela ter dito em vídeo que no governo Bolsonaro, ‘meninos vão vestir azul e meninas rosa’. A grande imprensa tornou o fato assunto principal. Artistas globais bateram nela, mas quem foi ver redes sociais deles viu meninas usando rosa e meninos azul. A frase da Ministra foi para dizer que o governo não vai mais estimular a ideologia de gêneros. Só isso. Mas é o negativo que atrai a grande imprensa. Outro ‘gancho’ na semana foi a multa de R$ 10 mil que fiscais do Ibama aplicaram em Jair Bolsonaro em 2012 ao vê-lo com uma vara de pescar em área de preservação em Angra dos Reis e que foi anulada no ano passado.Isso me faz lembrar quando Mano Menezes assumiu a Seleção Brasileira em 2010. Veio a Venâncio um jornalista da Globo. Esteve na redação da Folha pra falar comigo sobre Mano. Falei da trajetória, da liderança, da personalidade forte, da inteligência de Mano para armar suas equipes e do orgulho da cidade em vê-lo na seleção. Mas não era isso que o repórter queria, ele queria saber se Mano era da noite, se bebia, se era mulherengo, etc…Penso que o jornalismo é importante instrumento de cobrança em defesa da sociedade, de denúncias e críticas às malversações, mas não pode ter isso como foco principal e único. Existem tantas situações que pedem elogios, parceria, apoio, mas o que se vê cada vez mais nos grandes veículos é o uso do jornalismo para o negativo, para destruir e isso cria um circulo vicioso e perigoso.