Os ‘soldados’ de cada ‘general’

Em tempos de eleição sempre lembro do ex-prefeito, por dois mandatos, Glauco Scherer (PMDB-1989-1992 e PTB-2001-2004), já falecido. Ele usava uma metáfora de que ‘general sem soldado não ganha guerra’, para se referir à importância do número de candidatos a vereador que um candidato a prefeito tem para lhe apoiar na campanha.
Feitas as convenções, foram confirmados para concorrer o prefeito Giovane Wickert (PSB), como candidato à reeleição, e o médico e ex-vereador Jarbas da Rosa (PDT), pela oposição. Olhando para os ‘soldados’ dos dois ‘generais’, Jarbas tem um ‘exército’ maior até agora. As convenções já confirmaram 100 candidatos a vereador que lhe apoiam e falta o Cidadania confirmar os seus. Giovane tem 64 candidatos, faltando o PL e PP anunciarem os seus. Penso que dos 9 candidatos a vereador do PT, a maioria também fará campanha por Giovane, que foi do partido até 2016, como vice-prefeito.
No apoio partidário os dois se equivalem. Jarbas tem sete partidos, PDT, MDB, PSD, PSL, PSC, Republicanos e Cidadania. Giovane tem seis partidos, PSB, PTB, DEM, PSDB, PL e PP. Considerando um apoio ‘branco’ do PT, são sete também.

Em 2016
Pesquisei nos arquivos da Folha sobre a eleição de 2016, que os dois disputaram voto a voto e Giovane venceu por 254 votos. Naquela eleição Jarbas era o candidato do governo do prefeito Airton Artus e tinha apoio do PDT, PSC, PHS, PPS e SD, que apresentaram só uma chapa para vereador, com 29 candidatos. Elegeu quatro. Giovane, o vice-prefeito que foi candidato pela oposição, depois do racha com Artus, teve 10 partidos de apoio, PSB, PTB, PR, PP, PSD, PRB, PRP, PROS, PC do B e Rede, com duas chapas proporcionais coligadas, somando 60 candidatos a vereador. Elegeu oito. O pleito tinha ainda Vinícius Medeiros, candidato a prefeito pelo PSDB, com apoio do PMDB e DEM e 28 candidatos a vereador, dos quais três se elegeram. Cesar Schumacher, candidato a prefeito do PT, com 14 candidatos a vereador não elegeu nenhum.
Na eleição de 2016 tivemos 131 candidatos a vereador. Em 2020, quando as coligações proporcionais não são mais permitidas, já temos 178 candidatos anunciados, que vão passar de 200, com os três partidos que faltam anunciar suas nominatas.

Notinhas

* E as duas campanhas já tem coordenações definidas. Jarbas da Rosa (PDT) terá como coordenador de campanha Paulo Mathias Ferreira, ex-vereador de sete mandatos e presidente do MDB, partido da candidata a vice, Izaura Bergmann Landim. O prefeito Giovane Wickert (PSB) disse ontem que o coordenador de sua campanha será novamente Dário Martins, que trabalhou no cargo na eleição de 2016 e hoje é secretário municipal de Segurança Pública, sem filiação desde que saiu do PSB.

Paulo e Dario foram colegas vereadores do PMDB nos anos 90.

* PSDB definiu apoio à reeleição do prefeito Giovane Wickert (PSB), mas do comando do partido tucano ninguém vai concorrer. O presidente Vinícius Medeiros e os ex-vereadores pelo PTB, Marcolino Coutinho e Alexandre Wickert, eram nomes para prefeito ou vice, mas não vão para vereador. O vice-presidente Douglas Staub, assessor do vereador André Puthin (MDB), também não vai. Concorre o ‘baixo clero’, com seis nomes.

Do Twitter

* Folha S. Paulo: Redução drástica no funcionalismo pode gerar economia de quase R$ 2 trilhões em 20 anos
* GZH: Novo reitor enfrentará um ambiente hostil na UFRGS
* Juremir Machado: O dia em que Bibo Nunes escolheu o reitor da UFRGS!
* Deputado Zucco: Escolha do reitor da UFRGS é prerrogativa do Presidente da República, ou seja, de livre escolha do chefe do Executivo federal. Como a escolha de membros de outros órgãos públicos, mas a repercussão da ”grande imprensa” é desproporcional quando envolve o Presidente Bolsonaro.
* Bolsonaro: Congelar aposentadorias, cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência, é um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade. Como já disse, jamais tiraria dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome