Mal chegamos no segundo semestre e 2020 já entra para a história como um dos anos mais turbulentos e difíceis do Brasil e do mundo. Em Venâncio Aires, o cenário não é diferente.

Se não bastasse a pandemia do novo coronavírus, a crise sanitária que vem tirando vidas e freando a economia, os venâncio-airenses, especialmente os produtores rurais, foram castigados com uma das estiagens mais prolongadas da história e que deixa um prejuízo de mais de R$ 100 milhões. A conta não para aí. Venâncio Aires vive um surto de dengue que torna a Capital do Chimarrão a cidade com mais casos na região e, para piorar, no meio desta semana, o município, especialmente a região de Vila Mariante, foi atingido pela maior cheia do Rio Taquari desde 1956. A enchente histórica deixou dezenas de famílias desabrigadas. Que 2020!

Para encerrar a semana, a 13ª desde que Venâncio Aires confirmou o primeiro caso de coronavírus, a região que abrange o município foi classificada com a temida bandeira vermelha na rodada preliminar do Distanciamento Controlado do Rio Grande do Sul. Os prefeitos da região têm até este domingo para apresentar os recursos e tentar garantir a permanência na classificação laranja. Por ora, na avaliação preliminar, Venâncio e municípios da região integram os 84,2% da população gaúcha classificada como risco alto para contágio do coronavírus.

Em meio a tantas notícias tristes, na tarde desta sexta-feira, 10, a Prefeitura anunciou testagem em massa para a população venâncio-airense. O objetivo da Administração é dobrar este número para testar, pelo menos, 40% da população e, desta forma, ter dados concretos sobre a prevalência da doença no município. Para isso, o Governo Municipal fará um investimento de R$ 825 mil, que será custeado com os recursos recebidos para o combate à Covid-19.

Como destacaram os gestores públicos, durante transmissão ao vivo sobre o investimento, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a testagem em massa um fator determinante para que se tenha o entendimento de como o coronavírus vem circulando. Além disso, na próxima semana, começa a pesquisa do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Rio Pardo (Cisvale) e da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) para testar a prevalência do vírus em toda a região. Mais uma etapa fundamental.

Enquanto ainda buscamos explicações para tudo que vem acontecendo e aguardamos uma vacina para dar esperança de que venceremos a pandemia, somos, literalmente, testados. Sim, 2020 é um ano de provações!

Não seremos o mesmos depois que tudo isso passar. Estamos apenas começando uma transformação que não vai mudar apenas hábitos de saúde, mas de comportamento, de trabalho, de estudos. Há quem diga que 2020 veio para nos ensinar. Com dor e perdas, é verdade, mas 2020 não passará por nossas vidas à toa.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome