Vereadores insatisfeitos

Em virtude das férias da colega Letícia Wacholz, editora da Folha do Mate, estou suprindo a ausência e, por isso, não tenho acompanhado, in loco, as sessões da Câmara de Vereadores de Venâncio Aires. A tarefa já foi cumprida pela colega Débora Kist e, no momento, está a cargo do colega Cristiano Wildner. No entanto, assim que a reunião desta segunda-feira, 8, em Linha Andréas, foi encerrada, passei a receber mensagens de vereadores que não ficaram satisfeitos com o fato de que a maior parte do tempo foi utilizada pelo prefeito Giovane Wickert (PSB) e pelo vice Celso Krämer (PTB). “Sou a favor da interiorização do Legislativo, mas os protagonistas têm de ser os parlamentares”, escreveu Tiago Quintana (PDT). Nelsoir Battisti (PSD) completou: “Deixamos de falar sobre assuntos importantes e alguns moradores estavam dizendo que parecia comício”. Quintana e Battisti entendem que os representantes da Administração têm oportunidades de sobra para interagir com as comunidades e não precisariam ‘forçar a barra’ nas sessões interiorizadas. Eles também se queixaram que a participação de alguns vereadores foram resumidas a três minutos no período de Comunicações.

GOVERNISTAS À VONTADE
Se, por um lado, alguns parlamentares não gostaram da forma como a sessão foi conduzida, os integrantes da base do governo saíram satisfeitos de Linha Andréas. Com as participações de Wickert e Krämer, vereadores de situação se sentiram à vontade para exaltar o trabalho da Administração até agora e garantir ainda mais empenho para cumprimento das demandas comunitárias até o fim da atual gestão. Gilberto dos Santos e Clécio Espíndola, o Galo, ambos do PTB, destacaram o número elevado de jazidas licenciadas pela Prefeitura e apostaram que, com a trégua das chuvas, a Administração conseguirá colocar as estradas em dia.

KAPPEL SEM FREIO
O presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Venâncio Aires, Eduardo Kappel (Progressistas), aprontou mais uma das suas durante a sessão interiorizada de Linha Andréas, na noite desta segunda-feira, 8. Enquanto falava sobre o esforço dos vereadores da Capital Nacional do Chimarrão para poupar recursos com diárias, por exemplo, e ajudar a Prefeitura, que passa por dificuldades financeiras, afirmou que “aqui não é como em Rio Pardo, onde os vereadores se combinam para roubar juntos, ficam todos quietinhos e cada um compra um carro zero por ano”. Sem dúvida, vai dar muito o que falar.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome