Anúncio sobre o sistema adotado para a retomada das aulas foi anunciado na tarde desta quarta-feira, 15, pelo governador Eduardo Leite (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini)
Anúncio sobre o sistema adotado para a retomada das aulas foi anunciado na tarde desta quarta-feira, 15, pelo governador Eduardo Leite (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini)

O governador Eduardo Leite anunciou, em transmissão ao vivo pelo Facebook, na tarde desta quarta-feira, 27, que a retomada das aulas presenciais irá ocorrer a partir do dia 15 de junho nas universidades, principalmente, para cursos que necessitem de aulas práticas e de laboratórios. A retomada também está permitida para cursos livres, onde enquadram-se escolas de idiomas e artes, por exemplo. Já o retorno das aulas presenciais nas redes pública e particular está proibida em junho, em função disso, a partir da segunda-feira, 1° de junho, as atividades devem seguir de forma remota.

O Governo do Estado está projetando uma retomada gradual das atividades, que se dará através de cinco etapas. A primeira terá início na segunda-feira, 1° de junho, de forma virtual. No dia 15 de junho, um novo cenário de retomada das aulas será apresentado, de acordo com o número de casos de coronavírus no Rio Grande do Sul. A ideia, de acordo com Eduardo Leite, é que o retorno das aulas para alunos do ensino médio e da educação infantil ocorra conjuntamente, a partir de julho. “Crianças menores necessitam de aprendizagem presencial mais do que outras crianças. Assim como os estudantes dos anos finais que se preparam para ingressar na universidade e no mercado de trabalho”, pontua.

Para que a retomada das aulas presenciais ocorra no território gaúcho está sendo elaborada uma portaria pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) e Secretaria Estadual da Educação (Seduc) com um plano de contingencia com medidas de prevenção e orientações que devem ser tomadas pelas instituições de ensino. Conforme a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann, a portaria está em fase final de elaboração e trará observações daquilo que é essencial para a segurança de alunos, professores e trabalhadores. Dentre as normativas está readequar espaços físicos, garantindo o distanciamento mínimo, organizar salas de isolamento para alunos que apresentem sintomas, disponibilizar máscaras para a utilização de trabalhadores e alunos, não partilhar materiais escolares, higienizar objetos e equipamentos de acesso dos alunos. Além disso, está a criação de um Centro de Operações de Emergência – COE Saúde na escola para auxiliar no monitoramento das atividades.

De acordo com os cenários que estão sendo projetos pelo Governo para a retomada das atividades, a previsão de retomada total das aulas deve ocorrer no dia 14 de setembro.

Ensino remoto

O ensino será remoto nas instituições públicas e privadas do Rio Grande do Sul ainda no mês de junho. Para não deixar ninguém desassistido, o Governo destaca que às aulas virtualizadas serão através do Classroom – plataforma do Google. Aqueles que não tiverem acesso à internet, professores passarão material físico.

 O secretário estadual de educação, Faisal Karam, pontua que essa plataforma do Google possibilitará a criação de ambientes de aprendizagem, capacitação de professores e, inclusive, um espaço de intervalo para que os estudantes possam se ver de forma virtual. Serão 37 mil turmas em ambientes virtualizados no estado.

Live de resultados da 4ª rodada da pesquisa com a UFPel

Divulgação e coletiva dos resultados da 4ª rodada da pesquisa com a UFPel e detalhamento das próximas ações na área da educação.

Publicado por Governo do Rio Grande do Sul em Quarta-feira, 27 de maio de 2020

LEIA MAIS: Venâncio Aires passa para bandeira amarela no distanciamento controlado

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome