Não há dúvidas de que ele é o lanche mais famoso do mundo. É difícil encontrar quem nunca tenha provado e se deliciado com o bife suculento, o pão fofinho e as fritas de acompanhamento. Prático, gostoso e versátil, o hambúrguer carrega uma imensidão de admiradores, que saboreiam o sanduíche em bares e lanchonetes ou, até mesmo, se aventuram a prepará-lo em casa

Para marcar o Dia Mundial do Hambúrguer, comemorado hoje, o Na Pilha! apresenta uma edição deliciosa sobre o tema. Além de conferir exemplos de fãs de carteirinha, você poderá aprender mais sobre a história desse lanche, as diferentes opções e os ingredientes obrigatórios para um hambúrguer ‘de respeito’. Bom apetite!

Da culinária medieval para as lanchonetes

Quando se fala em fast food, ele é o primeiro da lista. Só de pensar em comer o hambúrguer, já dá água na boca. Mas, afinal, por que será que ele é tão solicitado e virou o queridinho entre os lanches, no mundo todo?

Ana Benetti, professora do curso de Gastronomia da Unisc

De acordo com a professora do curso de Gastronomia da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Ana Benetti, o hambúrguer originou-se na culinária medieval entre os tártaros que, numa prática popular, esmigalhavam a carne para poderem comer mais facilmente. “No início do século XIV, os tártaros russos introduziram o bife tártaro na Alemanha. Lá, o povo passou a misturar temperos regionais e o prato tornou-se comum na cidade de Hamburgo”, conta.

Quando o hambúrguer chegou aos Estados Unidos, no século XIX, o ‘bife de carne moída’ foi chamado de ‘hamburg style steak’ (bife ao estilo hamburguês). “Os norte-americanos passaram a colocar o bife grelhado no pão, na mesma maneira do cachorro-quente, virando, então, um ‘sanduíche de bife de carne moída’, que logo teve seu nome reduzido para ‘hambúrger’”, explica a professora, que também é pós-graduada em História da Alimentação e Patrimônio Cultural.

Entretanto, o fast food ganhou o mundo depois da Segunda Grande Guerra, com a chegada do McDonald’s e seus concorrentes. No Brasil, o hambúrguer foi introduzido em 1952 pelo norte-americano Robert Falkenburg, campeão de tênis em Wimbledon, que inaugurou no Rio de Janeiro, a primeira lanchonete Bob’s, nos moldes norte-americanos.

Ingredientes e modo de preparo

Segundo a professora de Gastronomia, Ana Benetti, os ingredientes principais do hambúrguer são: o pão, a carne, o queijo e o molho. Mas há uma infinidade de tipos desses ingredientes, bem como formas de combinações, além de outros acompanhamentos como saladas e frituras. “Não podemos esquecer que, na atualidade, também há as variações vegetarianas e veganas”, complementa.

Para quem deseja preparar em casa, a primeira dica é escolher cortes de boa qualidade, evitando carnes moídas congeladas. “As peças do dianteiro bovino são as mais saborosas para hambúrguer. Depois de grelhar a carne, também é bom deixá-la descansando de 3 a 5 minutos (dependendo da espessura do bife), antes de colocá-la no pão”, orienta. Ela acrescenta que isso é importante para que a carne realinhe o suco nela e gere maior suculência.

“Atualmente, os americanos consomem cerca de 135 milhões de hambúrgueres, diariamente. O hambúrguer se tornou tão popular que pode ser encontrado em restaurantes requintados, em lanchonetes de bairro e outras cozinhas profissionais.”

 

Ana Benetti

Professora de Gastronomia da Unisc

Hambúrguer, o lanche preferido

Seja para comer com os amigos, com família ou até mesmo sozinha, o hambúrguer é o lanche favorito de Juliana Vanessa dos Santos, 24 anos, que costuma degustar o lanche, pelo menos, uma vez na semana. “Às vezes, chego a pedir três vezes por semana, de tanto que eu gosto”, conta.

Em alguns dias, o lanche se torna o almoço. “Trabalho no centro, então gosto de ir na hamburgueria comer. Agora, por causa da pandemia, eu busco e como em casa”, afirma.

Mesmo tentando cuidar para não exagerar no hambúrguer, ela diz que poderia comer isso todos os dias. “O meu favorito é de galinha com catupiry, mas já experimentei quase todos”, afirma a jovem, que prefere pedir o hambúrguer pronto do que tentar fazer em casa.

Juliana diz que degusta o lanche pelo menos uma vez na semana (Foto: Juliana Bencke/Folha do Mate)

Juliana comenta que vê no hambúrguer uma forma para compartilhar com amigos e se deliciar com um bom lanche. Além disso, ela acredita que o hambúrguer combina com todas as ocasiões. “Toda vez que pego, penso: ‘nossa, hoje tá bom demais, o melhor que já comi’. Mas daí pego de novo e falo a mesma coisa”, diverte-se.


“É uma boa pedida para quando estamos tristes e para quando estamos felizes. Sempre digo que, se quer me deixar de bom humor, é só me convidar pra comer hambúrguer.”

 

Juliana Vanessa dos Santos

Relato pilhado

Lu curte fazer o hambúrguer em casa (Foto: Armando Möhler Neto/Divulgação)

Hambúrguer é minha comida favorita no mundo ♥, pelo menos atualmente. Sou tão apaixonada pelo lanche que, há alguns anos, escolhi um determinado bairro para me hospedar em uma viagem só para ficar perto de uma hamburgueria que eu PRE-CI-SA-VA conhecer.

Além de fazer check-in em várias hamburguerias por aí, tomei o gosto por preparar o hambúrguer em casa, junto com o Dinho, meu namorado. A última produção foi há uns 10 dias, com direito a pão brioche preparado artesanalmente por nós (essa lindeza da foto), bife (dessa vez compramos pronto) e muito cheddar e bacon envolvidos.

Fazer hambúrguer é uma coisa que a gente ama, principalmente quando tem visita de amigos. Ao final da pandemia, a agenda será cheia. Vocês nem sabem quantas pessoas querem nos visitar. Por que, será? HEHE

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome