Floresta da Tijuca: uma joia no coração do Rio

-

PÉ NA ESTRADA

Quando os turistas direcionam suas câmeras para o Corcovado, a Pedra da Gávea, ou outros morros rochosos no Rio de Janeiro, há uma grande chance de que estejam fotografando a Floresta da Tijuca. Protegida pelo parque nacional de mesmo nome, é a quarta maior área verde urbana do país, com quase quatro mil hectares.

Nem sempre foi assim, no entanto. No século 19, quase toda área fora destruída para dar lugar à produção de carvão e às fazendas de café. O desmatamento trouxe consequências graves e, quando começou a faltar água no Rio de Janeiro, em 1861, Dom Pedro II desapropriou todas as propriedades agrícolas e iniciou um processo de reflorestamento. O que moradores da cidade e turistas encontram hoje é um santuário natural gratuito e muito bem conservado, com várias opções de lazer.

Para quem visita o Rio, vale a pena reservar um meio dia para conhecer este patrimônio. Como o parque possui grande extensão e várias entradas oficiais, a dica é estudar o website parquenacionaldatijuca.rio com antecedência para entender as rotas sugeridas. Entre elas está o ‘Circuito do Vale Histórico’, com extensão de 7,5 quilômetros, onde é possível conhecer as principais ruínas, fontes e monumentos do tempo das fazendas de café; ou então, a simples caminhada, de menos de meio quilômetro, para visitar a Cascatinha Taunay, a maior queda do Parque, imortalizada nos quadros do artista Nicolas Antoine Taunay, que residiu no local por volta de 1820.

Pé na estradaPara os mais aventureiros, é possível fazer uma trilha de vinte minutos até a Pedra Bonita, para então fazer um voo de asa delta; ou então, conhecer o Cristo Redentor por meio da trilha de aproximadamente quatro horas que se inicia no Parque Lage.

O Parque Nacional da Tijuca abriga animais silvestres como macaco-prego, cachorro-do-mato, tamanduá-mirim, preguiça, tucano-do-bico-preto, etc, e com sorte, é possível avistá-los. O local passa grande sensação de segurança, com muitos guardas e visitantes, mas é recomendado que os turistas se mantenham nas áreas demarcadas. Há também muitas opções de lazer, com mesas de piquenique, pracinha para as crianças, estacionamento e banheiros.

É um passeio muito bonito, que oferece contato com a natureza exuberante do Rio de Janeiro.(Por Ana Flávia Hantt/[email protected])

Em meio às trilhas, é fácil avistar macacos. (Foto: Sabrina Teixeira/Divulgação)

leg: Em meio às trilhas, é fácil avistar macacos

LEIA MAIS:

notícias variedades Folha do Mate

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes