Despesas devem ser colocadas no papel para que as pessoas possam visualizar os custos mensais e identificar os gastos extras e os essenciais. (Foto: Divulgação)
Despesas devem ser colocadas no papel para que as pessoas possam visualizar os custos mensais e identificar os gastos extras e os essenciais. (Foto: Divulgação)

As restrições de isolamento social para conter a pandemia do coronavírus causaram impactos negativos na economia do país. Redução de salários, cancelamentos de contratos de trabalho e baixa demanda de serviços e atividades da classe autônoma, que vive do mercado informal, contribuem para um cenário de incertezas econômicas e grandes desafios.

Para encarar a crise financeira, que não tem previsão para se restabelecer, antes de mais nada é preciso avaliar o que realmente é essencial para o dia a dia da família. De acordo com a economista e professora da Univates, Cíntia Agostini, para controlar o dinheiro em tempos de crise, em primeiro lugar, é preciso fazer contas.

“Coloque no papel tudo aquilo que se gasta no mês, para que possa visualizar as despesas e identificar os gastos extras daquilo que é essencial”, indica. Após esta primeira observação, Cíntia orienta as pessoas a avaliarem as contas. “Veja quais são as despesas prioritárias e quais que podem ser negociadas, levando em consideração as taxas de juros embutidas e a condição de pagamento mais favorável”, afirma.

Em relação às compras, Cíntia argumenta que neste momento de instabilidade econômica, as pessoas devem olhar os gastos de forma crítica e racional e evitar as compras por impulso. Durante este período, em que grande parte das pessoas está passando mais tempo em casa, com acesso às lojas virtuais, é importante pensar e ponderar pelas possibilidades de consumo. “É preciso manter o autocontrole e pensar mais no ser do que no ter”, afirma a economista, que é doutora em Desenvolvimento Regional.

Cíntia orienta a pessoas a adquirirem apenas os bens que forem essenciais, durante este período de instabilidade econômica. (Foto: Divulgação)
Cíntia orienta a pessoas a adquirirem apenas os bens que forem essenciais, durante este período de instabilidade econômica. (Foto: Divulgação)

Segundo ela, antes de adquirir os bens essenciais, é importante avaliar as condições de pagamento, para saber quais são os benefícios. “Se tiver diferença de preço no pagamento em dinheiro, opte pela compra à vista. Mas, se não tiver todo o valor e for necessário comprar a prazo, verifique de quanto serão os juros embutidos e reduza o número de parcelas, se for o caso”, orienta.

Como se precaver em casos de demissão

Com a instabilidade econômica, as pessoas não têm nenhuma garantia se vão permanecer no emprego ou se, no decorrer dos próximos meses, terão salários reduzidos. Para evitar problemas financeiros a médio ou longo prazo, o mais indicado é manter uma reserva de emergência e aplicar as economias em lugar seguro.

De acordo com a economista Cíntia Agostini, esta escolha vai depender do perfil de investimento e do retorno do sistema financeiro. “As pessoas mais conservadoras geralmente optam pela renda fixa. Já quem tem um valor maior reservado e não tem medo de correr riscos pode optar pelos investimentos na bolsa de valores ou criptomoedas, por exemplo”, observa. Há também aquelas pessoas que não possuem uma reserva extra. Neste caso, o dinheiro pode ser aplicado na poupança, uma alternativa que garante acesso direto, sem cobrança de taxas de retirada do valor.

7 Dicas para economizar

1 Na hora da compra, substitua os bens mais caros por aqueles que são de preços mais acessíveis.

2 Antes de adquirir um eletroeletrônico ou móvel, analise se é possível postergar a troca.

3 Coloque no papel tudo o que recebe e o que gasta. Faça uma escala dos gastos essenciais – por exemplo, água, energia elétrica, alimentos e produtos de higiene -, e deixe as demais compras para um outro momento.

4 Antes de adquirir um bem, faça pesquisa de preços em diferentes lugares.

5 Faça lista de compras antes de ir ao supermercado para evitar gastos extras.

6 Verifique o prazo de validade e a quantidade contida na embalagem dos produtos (alimentos).

7 Seja criterioso em todos os aspectos, antes da tomada de decisão.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome