Família Cruz cultiva mais de 10 mil plantas, no orquidário às margens da RSC-287. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)
Família Cruz cultiva mais de 10 mil plantas, no orquidário às margens da RSC-287. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)

A diversidade de orquídeas desperta a atenção de quem passa pela RSC-287, próximo ao trevo de acesso a Venâncio Aires. O Orquidário Cruz, empresa familiar dedicada à comercialização de flores, conta com mais de 10 mil plantas, cultivadas em uma estufa de 720 metros quadrados.

Mas não basta ser apenas um apreciador de orquídeas para saber cultivá-las. A planta, que desperta a atenção de muitas pessoas pelas suas diferentes cores, texturas e formatos exige técnicas e cuidados especiais. Atualmente, mais de 30 mil espécies de orquídeas são cultivadas no mundo inteiro, cada qual, com características diferentes.

De acordo com o proprietário da empresa, Cláudio da Costa Cruz, é preciso conhecer a origem da planta para saber cultivá-la. “As plantas que vêm da região Norte, por exemplo, não possuem muita resistência ao frio. Já as plantas da origem do Sul já são aclimatadas à nossa região e não exigem tantos cuidados”, explica.

Cruz indica que o melhor período para plantio é entre agosto e março e que muitos aspectos devem ser avaliados para que as plantas se adaptem ao ambiente. Ele afirma que as orquídeas não podem ser expostas diretamente ao sol. “As plantas que são cultivadas na área externa devem ser protegidas por um sombrite. Já algumas espécies podem ser cultivadas dentro de casa, desde que, no ambiente haja entrada de luz natural”, salienta.

As Cattleyas são as plantas mais solicitadas pelos visitantes do Orquidário Cruz. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)
As Cattleyas são as plantas mais solicitadas pelos visitantes do Orquidário Cruz. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)

Há também aquelas plantas que se desenvolvem em árvores, porém, não podem ser adaptadas às de casca lisa, que trocam de caule após o inverno, como jabuticabeira, araçá e cerejeira. “As orquídeas se adaptam bem em citros, corticeiras do banhado e outras espécies nativas, como a guajuvira”, indica o proprietário do orquidário, que antes de atuar na área, era colecionador de orquídeas.

Além da temperatura ideal, ele destaca que a adubação e irrigação adequadas também são importantes para o desenvolvimento da planta. “No verão, as orquídeas devem ser irrigadas de duas a três vezes na semana, já no inverno, o processo pode ser realizado de 10 a 15 dias”, explica. Ele acrescenta que o substrato utilizado no cultivo das plantas deve ser de boa qualidade e os demais produtos aplicados devem ser em dosagens recomendadas. “As pessoas devem buscar informação ou orientação com pessoas que já tenham experiência na área, para conhecer estes produtos e manter o cultivo correto”, orienta.

Na segunda-feira, 22, é comemorado o Dia do Orquidófilo.

Curiosidades

  • As Cattleyas são as orquídeas mais vendidas no Orquidário Cruz, no entanto, a Phalaenopsis – planta de origem do sudoeste asiático – é a mais comercializada no mundo inteiro.
  • Segundo o proprietário do orquidário, Cláudio da Costa Cruz, o que muitas pessoas não sabem é que as orquídeas levam de três a quatro anos para florescer, sendo que algumas podem levar até sete anos.
  • Para quem deseja plantar novas mudas, deve observar o período de floração para fazer o processo. “O plantio de novas mudas deve ser após a florada, para não comprometer o seu desenvolvimento”, explica.
  • Ele também orienta que a planta deve ter uma boa estruturação para não ficar enfraquecida. “A orquídea deve apresentar, no mínimo, três bulbos para gerar novas mudas. A escolha do vaso para o plantio depende do tamanho do pé da orquídea”, explica Cruz.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome