Largura da ponte passará de 4 para 6,5 metros e permitirá trânsito em duas pistas (Foto: Leandro Osório/AI PMVA)

Moradores de Linha Coronel Brito há mais de 40 anos, Jorlando e Marli Schuh, estão realizados com o alargamento da ponte que liga o bairro Coronel Brito à Linha Ponte Queimada, na rua Gustavo Büllow. O casal faz parte de um grupo da comunidade que buscou por muito tempo a reforma.

“Lembro de ir com os vizinhos em 2012 na prefeitura pedir pelo aumento da ponte. Fomos diversas vezes conversar com prefeitos e vereadores”, recorda o morador. Era comum para os moradores do local presenciarem acidentes na ponte. “Já vi batidas, alguns carros caídos ali dentro, mas graças a Deus que nenhuma vez teve fatalidade”, comenta Marli.

A pista estreita possibilitava a passagem de apenas um veículo por vez. “Quem vem no sentido do bairro para o interior não consegue enxergar muito, porque tem uma curva antes da ponte e ainda tem os matos que atrapalham a sinalização”, explica a moradora.

Com o alargamento, a largura da ponte passará de 4 para 6,5 metros, o que permitirá o trânsito em duas pistas. O trabalho está sendo realizado pela equipe da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisp) com recursos e materiais próprios. A inauguração está prevista para 18 de fevereiro, às 10h com a presença de autoridades, comunidade e da equipe de trabalhadores.

De acordo com o secretário Renato Gollmann, ainda faltam ser concluídas as cabeceiras, ser feita a limpeza das margens da via, a colocação de um ‘guard rail’ – mureta de alumínio para contenção – bem como a secagem e fixação total do concreto que faz base e sustentação da ponte. Por isso, por enquanto, a nova parte da ponte não está liberada para uso.

Jorlando e Marli Schuh fazem parte do grupo de moradores que reivindicava a reforma da ponte (Foto: Eduarda Wenzel)

FLUXO DE VEÍCULOS

Os moradores lembram que a ponte era suficiente para a demanda que tinha quando ela foi construída, há quatro décadas, porém, atualmente, o fluxo de veículo aumentou muito. “Hoje passam caminhões grandes, e essa também é uma ligação com o bairro Universitário, explica Marli Schuh.

Ela ainda coloca que só acreditou que a ponte seria reformada quando começou a obra. “Eu estava de aniversário em dezembro e brinquei com o secretário Renato que esse era o meu presente, porque fiquei muito feliz.”

 


“Essa é uma rua que liga bairro e interior, temos produtores por aqui e, muitas vezes, máquinas e caminhões de trabalho tinham dificuldade para passar por essa ponte. Só quem mora aqui sabe a importância da obra.”


MARLI SCHUH
Moradora de Linha Coronel Brito

Pedidos de obras

Conforme o secretário de Infraestrutura e Serviços Público, Renato Gollmann, a área urbana e o interior têm muitas demandas por obras. Por isso, ele ressalta a importância das reivindicações chegarem à secretaria. “Nós não sabemos de todas as demandas. Por exemplo, aqui é uma rua que não passo sempre, então eu não tenho como saber que para o fluxo diário de veículos ela estava estreita, por isso, a população precisa nos demandar os problemas.”

O morador Jorlando Schuh conta que estava no centro, em um dia qualquer de 2019, quando avistou Gollmann, o prefeito Giovane Wickert e a secretária da Planejamento e Urbanismo Jalila Stahl Böhm Heinemann, e decidiu ir até eles para cobrar o alargamento da ponte. “Eles estavam na praça, eu os parei para conversar. Nós da comunidade já tínhamos ido diversas vezes à prefeitura, eu aproveitei a oportunidade para lembrar eles da demanda. Dias depois, vieram aqui ver a situação da ponte e após uns meses começaram a fazer”, conta.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome