Cresce a procura por destinos regionais, principalmente na serra gaúcha. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)
Cresce a procura por destinos regionais, principalmente na serra gaúcha. (Foto: Taiane Kussler/Folha do Mate)

Mesmo que não haja uma previsão de retorno à normalidade, o segmento do turismo, aos poucos, vem se moldando ao novo cenário, de acordo com as normas de segurança, para retomar as programações de viagens. Com a abertura de pontos turísticos para visitação e reabertura dos aeroportos no país, de forma lenta e gradativa, o setor volta a ofertar pacotes turísticos nacionais e internacionais.

O turismo foi um dos segmentos que mais sofreu impactos com a pandemia. No fim de março, as agências de viagens não realizaram nenhuma venda e tiveram que remarcar ou cancelar viagens, em decorrência da pandemia. Inclusive, já prevê um aumento na procura por pacotes de viagens, em relação aos anos anteriores.

De acordo com o proprietário da Venatur Viagens e Turismo, Valmor Heck, a área do turismo, de hotelaria, transportes e restaurantes foram os segmentos mais atingidos com a crise em decorrência do coronavírus. Apesar disso, ele considera que a retomada pós-pandemia tende a ser promissora.

De março a junho, a Venatur só realizou remarcações e cancelamentos de viagem. Os clientes tinham a opção de remarcar os passeios ou receber o reembolso do valor, válido por um ano a partir do cancelamento do decreto da pandemia.

Segundo Heck, esta situação gerou um impacto financeiro para a empresa. Em junho, a agência de Venâncio Aires atingiu 5% do valor do faturamento, em julho, 15% e em agosto, 10%. “Em julho, tivemos uma expectativa de melhora, porém, com o aumento do número de casos, no Rio Grande do Sul, as vendas se retraíram novamente”, observa.

A empresa Zap Turismo também teve que se readequar à situação. A consultora de viagens Verônica Spies Ullmann conta que, nos primeiros meses de pandemia, a empresa teve que fazer cancelamentos e, ao mesmo tempo, ofereceu o suporte necessário aos clientes que estavam em viagem e precisaram voltar para o país de origem.

AUMENTO DA PROCURA

No mês de julho, com a expectativa de estabilidade da pandemia, as pessoas voltaram a programar os passeios. Conforme Heck, as viagens para o Brasil já estão programadas para ocorrer ainda este ano, porém, para o exterior, os pacotes estão disponíveis para 2021. “Para setembro e outubro, já temos viagens agendadas com roteiros brasileiros. Contudo, para o turismo internacional o ritmo é mais lento, pois as fronteiras ainda não foram liberadas”, observa.

Ele percebe que as pessoas estão bem ansiosas para voltar a viajar, principalmente o grupo de terceira idade. “Este perfil de turista não teve crise financeira, por isso, já possui um dinheiro reservado para viajar, assim que o uso de máscaras for liberado”, salienta o proprietário da agência de viagens de Venâncio Aires.

“Neste período, as agências tiveram que mudar a mentalidade e se reciclar. Aquelas que não se adequaram, sucumbiram. Mesmo assim, acredito que o turismo virá com força total e teremos uma ‘pandemia’ de viagens.”

VALMOR HECK

Proprietário da Venatur Viagens e Turismo

Novas tendências em viagens

O comportamento dos turistas em relação à escolha dos destinos de viagem também mudou em relação ao ano anterior. De acordo com a consultora de viagens, Verônica Spies Ullmann, os passeios ao ar livre e resorts all inclusive são os mais procurados. “O Rio de Janeiro, por exemplo, teve uma boa procura, pois conta com pontos turísticos ao ar livre e acesso à praia. Além disso, a viagem é de voo direto (sem escalas) proporcionando um passeio mais tranquilo e seguro aos turistas. Já para o Nordeste, as pessoas estão optando pelos resorts all-inclusive, pois têm a opção de usufruir dos serviços oferecidos, em um único lugar”, destaca Verônica.

Segundo ela, as viagens regionais também estão em alta, pela questão de proximidade. Os destinos mais procurados são Vale dos Vinhedos, Gramado, Canela e Cambará do Sul.

Em decorrência da pandemia, as agências de turismo estão realizando promoções especiais e roteiros com preços atrativos para os clientes. “As viagens de cruzeiro serão uma forte tendência. Os navios estão cada vez maiores e mais sofisticados com atrações para todos os públicos. Este segmento está em constante crescimento”, avalia o proprietário da Venatur Viagens e Turismo, Valmor Heck, salientando que o aumento da expectativa de vida no Brasil está cada vez maior e as pessoas que já experimentaram viajar não vão abandonar este hábito. “O turismo é um caminho sem volta”, enfatiza.

NOVO NORMAL

Além dos turistas, o setor de hotelaria, restaurante e transportes, também teve que se readequar ao novo cenário para receber os clientes com segurança nos locais de visitação, conforme os protocolos sanitários exigidos.

De acordo com Heck, as empresas de transporte, por exemplo, terão que atuar com capacidade reduzida de pessoas para evitar aglomerações. Segundo ele, o ramo de hotelaria também está se remodelando ao novo sistema. “Nos resorts, as camareiras não estão entrando nos apartamentos para evitar o contato com os hóspedes. As roupas de cama estão sendo trocadas pelos próprios turistas”, explica. Além disso, restaurantes adotaram os sistema à la carte e não oferecem mais o buffet.

Rede hoteleira

De acordo com a gerente do Hotel Guest, Maria Adriana Nunes Santos, o primeiro mês foi bem crítico para o setor. “No início da pandemia, fechamos por uma semana. No decorrer dos meses, tivemos reservas desmarcadas e, em determinadas situações, o hotel ficou sem hóspedes”, afirma. Atualmente, ela percebe que há poucas reservas antecipadas e o atendimento no balcão aumentou. “Têm pessoas que ligam para saber como está a situação do município, antes de vir. Com o cancelamento dos eventos locais e competições esportivas, os clientes não estão vindo a turismo, sendo que, a maioria vêm para trabalho”, observa a gerente, salientando que grande parte dos hóspedes que estão no hotel são da região.

Conforme ela, com a mudança de comportamento as reservas pelo Booking reduziram consideravelmente. “Geralmente os clientes que fazem a reserva pelo site vêm a Venâncio Aires pela primeira vez. No último mês tivemos apenas 10 hóspedes que reservaram pelo site. Já outros meses, não tivemos nada”, destaca. O Hotel Guest está operando com 40% da capacidade, portanto o número de leitos ocupados sofre oscilações. Maria Adriana observa que a movimentação vem ocorrendo de forma gradativa, desde maio.

TURISMO NA CAPITAL DO CHIMARRÃO

  1. Em Venâncio Aires, a procura pelos passeios em locais abertos também cresceu durante a pandemia, em empreendimentos da Rota do Chimarrão, em Venâncio Aires, e no interior de municípios vizinhos. A opção traz mais tranquilidade às pessoas, já que, podem circular nos locais em família, com o próprio veículo.
  2. No início deste mês, a Figueira Centenária, em Linha Silva Tavares; o Mirante Lauro Erdmann, de Vila Deodoro; e o Cerro do Baú, em Vila Arlindo, foram interditados, para evitar a aglomeração de pessoas.
  3. Conforme Valmor Heck, que também é presidente do Conselho Municipal do Turismo (Comtur), de Venâncio Aires, após a pandemia, muita coisa vai permanecer e os pontos turísticos do município tendem a ser ainda mais valorizados.
  4. Mesmo assim, ele acredita que é necessário a instalação de outros empreendimentos, principalmente na área de gastronomia e hospedagem. “A Serra Gaúcha já está consolidada. Agora é a vez do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari formar parcerias, para proporcionar uma maior infraestrutura e atrair novos investidores”, salienta.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome