Gari: um trabalhador essencial na sociedade

-

Toda semana, a população descarta sacolas de lixo que são recolhidas por profissionais conhecidos como garis. Neste sábado, 16, é comemorado o Dia Nacional do Gari, data instituída para homenagear as pessoas que diariamente recolhem o que é descartado pela população e é encaminhado para a Usina de Triagem.Em Venâncio Aires são 18 homens, a maioria entre 18 e 40 anos, que compõe o grupo que atua na coleta de lixo.

Entre eles está Luiz Fernando Lopes, 37 anos, que atua na Conesul Soluções Ambientais há 7 anos. O gari mais experiente da empresa acorda todos os dias às 6h, e vai para o trabalho, o qual tem orgulho de executar. “Antes de qualquer coisa, chego e coloco o uniforme, luvas, roupas e botina. Depois vou para a rua”, explica.

São, em média, seis bairros por dia que os profissionais percorrem. “Caminhamos e corremos bastante, temos que ter um fôlego bom para isso.” Apesar de ser corrido, ele conta que antes deste emprego atuava em uma empresa metalúrgica, mas recebeu uma oportunidade melhor e começou a atuar como gari. Nesse ambiente de trabalho, garante Lopes, encontrou uma equipe unida. “Somos praticamente uma segunda família, trocamos caronas e sempre nos ajudamos”, conta.

No final do expediente, o caminhão que coleta o lixo leva os profissionais até a Usina de Triagem de Lixo, instalada na localidade de Linha Estrela, no interior do município. “Terminamos descarregando lá. Temos alavancas eletrônicas que ajudam nesse processo, então é bem tranquilo”, esclarece.

LEMBRANÇAS

Muitos momentos felizes marcam a trajetória profissional de Lopes, mas ele também guarda uma lembrança triste. Ele conta que, quando começou nesta profissão, fez amizade com um colega que o ensinou a trabalhar na área. Há alguns anos, esse amigo sofreu um acidente de trabalho e perdeu a vida. “Foi muito difícil, porque era um grande amigo e depois para voltar a trabalhar precisei ser forte”, relembra.

Contudo, prefere lembrar das risadas e comemorações que todos fazem juntos. “Claro que nem todos os dias estamos pulando de felicidade, a vida é assim, coisas ruins acontecem, mas se um estende a mão para o outro facilita nosso serviço”, conclui.

A colaboração da comunidade 

Durante a rotina de trabalho, Luiz Fernando Lopes conta que ele e os colegas acham muitos itens em meio ao lixo, como celulares, dinheiro, chaves, documentos, entre outros objetos. “Achamos de tudo, às vezes as pessoas até avisam que tem celular no lixo e que se tiver conserto podemos pegar para nós”, diz.

Por conhecerem muitas pessoas e até fazerem amizades, Lopes lembra que ele e os colegas recebem várias doações. “Ganhamos brinquedos e roupas, temos uma boa relação com os moradores dos bairros.” Além disso, ele comenta que ganham água quando pedem, principalmente no verão.

Mesmo com a ajuda de todos, o profissional apela para que a população tenha mais cuidado com lixos perigosos, como vidros e seringas. “Eu mesmo já me cortei várias vezes, é muito perigoso, porque tem objetos que passam pela sacola. Esses precisam ser colocados em jornais ou papéis e serem identificados, assim sabemos que temos que cuidar ao manusear”, reforça.

TRÂNSITO

Outro cuidado diário dos garis é com o trânsito. Como eles correm atrás de um caminhão, a atenção é essencial. “Nas áreas centrais redobramos os cuidados. Às vezes, as pessoas não respeitam o trânsito.” Além disso, outro cuidado é com os cachorros que podem tentar mordê-los.

Lopes gosta e tem orgulho de ser gari (Foto: Alvaro Pegoraro)


“É uma coisa que eu gosto muito de fazer, estar na rua trabalhando e conversando com as pessoas. Mas vejo que precisamos ser mais valorizados no país.”

LUIZ FERNANDO LOPES
Gari


Saiba mais

A Conesul Venâncio Aires, que realiza a coleta de lixo no município, conta com 11 garis, cinco motoristas, um encarregado e um auxiliar. Ao todo, são cinco veículos, que atuam em quatro áreas: orgânica, seletiva, interior e automatizada.

O termo ‘gari’ surgiu em homenagem ao francês Pedro Aleixo Gary, que ficou conhecido por ser o fundador da primeira empresa de coleta de lixo nas ruas do Rio de Janeiro, em 1976.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes