Tipuanas do acesso a Venâncio serão substituídas por árvores nativas

-

A inclinação de algumas tipuanas e o iminente risco de quedas, ao longo da ERS-244, no acesso Dona Leopoldina, estão com os dias contados. A pedido da reportagem da Folha do Mate, o biólogo Nilmar Azevedo de Melo fez uma vistoria e constatou que as árvores da espécie ‘Tipuana tipu’ terão que ser substituídas por exemplares nativos, de menor porte.

O profissional, que atua na Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), fez a vistoria ontem pela manhã. No laudo que encaminhou à Folha, o biólogo traz um levantamento fotográfico indicando que em algumas árvores foram feitas podas irregulares, mas necessárias, devido a rede elétrica. “Por isso deverão ser futuramente substituídas”, explicou.

Conclusão técnica

O laudo menciona que as tipuanas situadas no acesso Leopoldina, principalmente as existentes na margem direita (sentido centro/trevo), deverão futuramente ser substituídas por outros indivíduos florestais de menor porte. Isso precisará ser feito, considerando a rede elétrica existente entre as árvores, o que resulta em uma poda de manutenção desarmônica, descaracterizando a estrutura da copa das árvores.

Melo observa que as tipuanas são espécies exóticas e de crescimento acelerado, não sendo recomendadas atualmente para o plantio em áreas urbanas com pouco espaço ou, principalmente no passeio público. “Mesmo sendo uma espécie robusta, ela apresenta um estado crítico em relação aos cupins e fungos”, salienta.

O biólogo ressalta que esses organismos não afetam a saúde da árvore porque crescem no cerne (tronco interno), que é uma área morta e a parte viva é somente a externa. “Apesar de as árvores analisadas estarem repletas de folhas e flores, o estado de algumas é um pouco crítico pois estão pendentes sobre a rodovia e recomenda-se, gradualmente, serem substituídas por espécies nativas, com maior resistência e de menor porte, para não danificar a rede elétrica”, orienta.

Ao se referir especificamente aos fungos e cupins, fez um alerta importante. “Estes fungos e cupins podem comprometer a estrutura interna da árvore e ocasionar a queda, mas não a morte da árvore”. O biólogo alerta que o cupim subterrâneo ‘Coptotermes’ destrói e o fungo apodrecedor ‘Ganoderma sp’ são os agentes mais comuns que influenciam na queda das tipuanas na região.

Melo também lembra que a legislação federal já prevê a erradicação não só das tipuanas em área urbana, mas também do ligutre, uva do japão e outras espécies exóticas invasoras.

“Considerando os riscos potenciais pelo grande porte de uma tipuana adulta, a recomendação é a substituição gradual de todos os exemplares ao longo da ERS-244 por exemplares da flora nativa, de menor porte.”

NILMAR AZEVEDO DE MELO
Biólogo

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes