Novo modelo de coleta de galhos reduz acúmulo de rejeitos nas ruas

-

Deixar as ruas de Venâncio Aires mais limpas. Esse é o objetivo central do novo modelo de recolhimento de galhos que vem sendo implementado na cidade, desde o mês de abril. Contudo, o projeto tem tropeçado em obstáculos como a conscientização da população e no próprio conhecimento sobre o cronograma de recolhimento.

O novo modelo baseia-se na divisão por quadrantes, aproximando bairros e oportunizando organização e agilidade no serviço. O recolhimento é realizado com a utilização de uma retroescavadeira ou um triturador, além de caminhões para transportar os rejeitos. Outra possibilidade é o Ecoponto/Ecopoda, localizado na Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisp) – na rua Duque de Caxias, bairro Aviação – que é uma solução mais imediata para quem necessita.

Segundo o coordenador do Departamento de Conservação Urbana, Samuel Gisch, com a utilização do triturador, esse material será disponibilizado para a comunidade retirar e usar nas composteiras. Após a implementação do novo modelo, Gisch afirma que a efetividade do recolhimento cresceu em torno de 300%, porém, a demanda subiu na mesma medida. “Estamos investindo na questão educativa, é necessário conscientizar e ensinar a população”, detalha Gisch.

Ele frisa que a fiscalização ambiental não está dando conta da demanda de vistorias, pois são diversas ‘podas drásticas’ – processo que remove mais de 30% do volume da copa de uma árvore ou arbusto –, feitas em datas afastadas do programado para a retirada. “É preciso entender que, para termos uma organização, nossa meta é que, uma semana antes do recolhimento no quadrante, os materiais já estejam na rua. Contudo, vemos rejeitos três semanas antes, a poda é feita e já fica na rua”, lamenta o coordenador.

Orientações

Gisch elenca algumas medidas que podem ser feitas para agilizar o processo. A primeira delas é o cuidado com as datas, para disponibilizar os materiais próximos ao programado para seu recolhimento. Além disso, é necessário bom senso. De acordo com o coordenador, o município buscou a ampliação do sistema de contêineres para a coleta de lixo, com placas avisando que é proibido galhos e rejeitos.

O secretário do Meio Ambiente de Venâncio Aires, Nilson Lehmen, afirma que esse período do ano é comum o aumento das podas, contudo, é preciso ficar atento para a correta destinação, para que os galhos não fiquem por semanas sem o devido recolhimento. “Quando se fala em resíduos, a palavra-chave é conscientização. É importante que, caso tenha dúvidas, ligar para a Secretaria do Meio Ambiente, afinal, quem produz o resíduo é que precisa procurar o melhor descarte. Estamos abertos para ajudar”, frisa. O telefone da pasta é o 2183-0738.

“Estamos projetando mutirões para resolver problemas específicos. Além disso, temos materiais que não conseguimos triturar, como coqueiros, palmeiras e semelhantes, porque embucha ou tira o fio. Para isso, estamos buscando dois caminhões, um para triturar e o outro para ficar limpando e realizando o descarte.”

SAMUEL GISCH

Coordenador do Departamento de Conservação Urbana

Programação deste mês

– 13 a 17 de junho: Quadrante 2 – Bela Vista, Gressler, Loteamento Serafim/Canto do Cedro, Cidade Nova e Cidade Alta

– 20 a 24 de junho: Quadrante 3 – Brígida, Centro, Cruzeiro, Macedo, Leopoldina e Xangri-Lá

  • 27 a 30 de junho: Quadrante 4 – Diettrich, Santa Tecla, São Francisco Xavier, Aviação, União e Morsch

Obs.: No quadrante 1, que compreende Battisti, Coronel Brito, Brands, Universitário/Tabalar, Industrial e Grão Pará, o recolhimento deste mês foi realizado entre 6 e 10 de junho.

Ecoponto tem a missão de simplificar o descarte

Atualmente, o Ecoponto foco no recebimento de lixo eletrônico, vidro, madeira, pneus, sobras de obras e galhos. (Foto: Leonardo Pereira)

Localizado na Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisp) – na rua Duque de Caxias, bairro Aviação –, o Ecoponto visa centralizar o ponto de descarte de rejeitos em Venâncio Aires. De acordo com o coordenador do Departamento de Conservação Urbana, Samuel Gisch, o local está mais restrito a lixo eletrônico, vidro, madeira, pneus, materiais que sobram de obras e, até galhos, em pequena quantidade. “Infelizmente não damos conta de tudo, então é necessário avisar, nos informar, dependemos do bom senso da população. Buscamos fazer o descarte apropriado e tirar o lixo de suas casas”, frisa Gisch.

Um dos principais exemplos são os pneus, que necessitam de uma destinação adequada para não abrir espaço para a proliferação do Aedes aegypti, o mosquito da dengue. Visando esse fim, o comerciante Luiz Fernando Thiesen recolhe os pneus do local e os reaproveita da melhor forma possível. “Aproveito no que dá, o que não consigo passo para outra recicladora dar um ponto final. É preciso dar o destino correto. Não podemos largar em qualquer lugar, não pode largar no arroio ou na rua, é preciso ter todo o cuidado”, conta.

O local funciona de segunda-feira a sábado, das 7h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h. Segundo Gisch, uma atitude interessante é não misturar os rejeitos. “Além disso, quando temos materiais no Ecoponto em bom nível, doamos para quem precisa. E a utilização dos galhos também está sendo feita para aterros posteriormente, unindo o útil ao agradável.”

Thiesen recolhe pneus no local. (Foto: Leonardo Pereira)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes