Evitar a poda drástica, que consiste na retirada de todos os galhos verdes da copa da planta, é o principal objetivo da Secretaria Municipal do Meio Ambiente no período do inverno. O corte irregular pode gerar multas aos moradores de Venâncio Aires e uma força tarefa de fiscalizações ocorrerá no Município.

Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do MatePodas irregulares podem gerar multas ao contribuinte de até R$ 500
Podas irregulares podem gerar multas ao contribuinte de até R$ 500

Um cronograma de vistorias foi elaborado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma) e cada dia, a equipe percorrerá uma rua da cidade. Até o momento, as vistorias não foram motivadas por denúncias, porém, elas podem ser comunicados pelos cidadãos venâncio-airenses.

A bióloga da Semma, Gabriela Graef, observa que a incidência de podas aumenta no inverno por esta ser a estação em que as plantas entram em estado dormência, perdendo naturalmente as folhas e diminuindo as atividades metabólicas. No entanto, é necessário cuidado para que a ação não ocorra de maneira exagerada, a fim de se preservar as árvores. “A poda não é uma operação necessária para o bom desenvolvimento das plantas. Por muitas vezes, as pessoas a praticam somente em benefício próprio”, enfatiza.

Tanto as árvores plantadas no passeio público quanto as dos pátios, segundo Gabriela, não precisam ser podadas, devendo deixá-las crescerem naturalmente. Porém, se isto se fizer necessário, é aconselhada a poda de condução, que consiste na retirada daqueles galhos que estão atrapalhando. Por exemplo, atrapalha o fluxo de carros, de pedestres, está sob os fios da energia elétrica. “é somente isto, pois as árvores nativas ou exóticas não necessitam de poda. Quem necessita são as frutíferas, onde é feita uma poda mais drástica”, salienta.

Nas árvores que se encontram debaixo de rede de luz, conforme Gabriela, quem efetua a poda de condução é a concessionária AES Sul, e é feita em forma de ‘V’. Muitas pessoas não gostam deste visual e Gabriela observa que árvores de grande porte não podem ser plantadas debaixo de redes de luz. Nestes casos, o recomendado são árvores de porte menor, que atinjam entre três metros e no máximo cinco metros de altura.

Poda Drástica

Outro malefício que se origina da poda drástica, é o desequilíbrio causado na planta, entre a copa e absorção das raízes. Isto faz com que vários galhos nascçam desordenadamente para recompor a folhagem original. Esse aspecto com galhos jovens é confundido com vitalidade da planta. Contudo, essa reação é uma tentativa desesperada de sobrevivência, pois dos galhos saem as flores e destas as sementes que garantem a manutenção da espécie. Estes galhos, porém, são muitos frágeis e propícios a causarem acidentes com a sua queda. Além disso, a exposição do tronco aos fungos e demais parasitas causados pela poda, combinados com a falta de reserva energética, pode levar a planta à morte.

“é preciso acabar com o mito de que a poda revitaliza o vegetal, pois a retirada dos galhos é prejudicial a planta”, destaca Gabriela Graef. Ela destaca que a supressão da copa, retira a reserva energética acumuladas nos ramos através das gemas para a sobrevivência durante o inverno. “Muitas plantas perdem as folhas no inverno e não conseguem realizar a fotossíntese e dependem dessa reserva”, explica. As denúncias de podas incorretas podem ser levadas à Secretaria Municipal do Meio Ambiente, na rua Sete de Setembro, ou pelo telefone 3983-1034.