Produtores de tabaco de Santa Cruz podem devolver embalagens

-

Destinar as embalagens de agrotóxicos passou a ser lei em 2002, por meio do Decreto 4.074. Dois anos antes da lei, entretanto, um programa já percorria os municípios do interior do Rio Grande do Sul com este objetivo. Trata-se do Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos, desenvolvido anualmente de forma itinerante pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) e empresas associadas, em parceria com a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra).

Entre 28 de maio e 12 de setembro, um novo ciclo será realizado, percorrendo 112 municípios da Serra do Rio Grande do Sul. “O programa leva aos produtores de tabaco a oportunidade de destinar corretamente os recipientes vazios de agrotóxicos, inclusive aqueles que tenham sido utilizados em outras culturas”, destaca o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke. Quem adere ao programa e entrega as embalagens tríplices lavadas, recebe recibos – fundamentais para apresentação aos órgãos de fiscalização ambiental.

A primeira coleta do programa aconteceu em 23 de outubro de 2000, em Rio Pardinho, localidade de Santa Cruz do Sul (RS). Inicialmente, o programa tinha como objetivos preservar o meio-ambiente e atentar para os aspectos de saúde e segurança do produtor rural. A partir de 2002, passou a atender também a legislação vigente, oferecendo comodidade aos produtores de tabaco na devolução destas embalagens. Com 11 anos, o programa é sucesso entre os produtores de tabaco: já foram 7,9 milhões de embalagens recolhidas desde seu início, no ano 2000.

Somente no ciclo 2010/11, quase 1,6 milhão de embalagens foram recebidas em 2,6 mil localidades, nos 570 municípios de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. No Paraná, iniciativas semelhantes realizadas pelas centrais locais são apoiadas pelas empresas associadas ao SindiTabaco.

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes