Produtores intensificam plantio do arroz da Safra 2019/20

-

A diversidade de produção do setor primário é bastante diversificada no município, principalmente as culturas de verão, onde se destacam o tabaco – que se encontra em diversos estágios de desenvolvimento, e, o milho safra e o aipim cujo plantio já é expressivo. E, com o período propício, os produtores estão intensificando o plantio do arroz da Safra 2019/20

Tendo no arroz a principal fonte de renda, no dia 1º de outubro, o produtor Luís Schwendler, morador de Linha Arroio Grande, iniciou o plantio do cereal nos 58 hectares e ele estima que até o dia 10 de novembro, todo ele esteja plantado. A área é a mesma dos últimos anos e a expectativa é de novamente colher 180 sacos por hectare, média obtida na safra 2017/18. Na última, por causa das condições climáticas adversas, colheu somente 147 sacos por hectare.

SISTEMATIZAÇÃO

Schwendler começou a plantar arroz no ano de 1992, época em que a Emater/RS-Ascar inciou o trabalho das microbacias hidrográficas. No início, plantava no sistema convencional e acredita que adotou o pré-germinado no ano de 2002 e confirma que hoje, não tem mais como plantar com o método convencional. Entre as vantagens do pré-germinado, ele cita que está a redução da quantia de água usada durante todo o ciclo da cultura e que não depende do clima favorável para o preparo do solo para posterior plantio.

O chefe do escritório municipal da Emater/RS-Ascar e engenheiro agrônomo, Vicente Fin, acrescenta que os produtores de arroz adotaram este sistema pois a sistematização das lavouras reduz a quantia e facilita a manutenção da lâmina da água nos quadros. “Eles mantêm esta lâmina de água até o fim do ciclo, e apenas a repõe, pois o nível baixa em função da evaporação provocada pelo sol forte do verão”, refere. Fin acrescenta que isto trouxe dois ganhos ambientais, quais sejam: menos partículas suspensas de argila e matéria orgânica, denominadas de coloides e, com isso, são menos coloides que vão para a água, e, menor gasto em volume de água, o que demanda menos retirada dos mananciais hídricos.

REDUÇÃO

O orizicultor observa que haverá uma redução de área no estado e ele acredita que com isso, haverá uma majoração do preço do saco do arroz em casca que hoje está em R$ 45. Schwendler acentua que atualmente, são necessários até 110 sacos por hectare para cobrir o custo de produção e que sobra muito pouco para o produtor realmente ter um bom lucro. E, mesmo com o preço não muito compensador, Schwendler conta que tudo o que possui hoje, foi graças ao arroz. Ele cita a aquisição de áreas de terras e maquinários como trator, colheitadeira, semeadeira e graneleiro. E, mesmo com a não valorização, o produtor afirma que investe na cultura pois toda a sua terra é baixa e molhada, o que não permite o plantio de outras culturas, e ainda, as lavoures estão sistematizadas e o maquinário também é específico para produzir arroz. “Por isso, é preciso fazer o arroz produzir ao máximo para obter um bom lucro”, frisa.

Fin acrescenta que a redução vem ocorrendo nas últimas safras em praticamente todo o estado e que Venâncio Aires é um dos poucos municípios que registra um pequeno aumento da área – em torno de 100 hectares em relação à última safra.


“Se o produtor não se dedicar integralmente à produção, o arroz não vai produzir, e não produzindo, o agricultor não vai ter o que colher e, não colhendo, não terá renda e não conseguirá honrar os seus compromissos”.

LUÍS SCHWENLER – Produtor de arroz


SAIBA MAIS

  • A área total do arroz nesta safra será de 1,7 mil hectares, dos quais, 92% serão plantados no sistema pré-germinado e o município registra um aumento de 100 hectares nesta safra em relação à ultima.
  • Segundo dados informados por Fin, o município tem a capacidade instalada de armazenar 38,65% da produção local de arroz de cada safra. Além disso, tem uma agroindústrias local que com capacidade de armazenar mais de 8% da produção, elevando para mais de 46% a capacidade de armazenamento instalada no município.
  • A produção na última safra foi de 13,6 mil toneladas, numa média de oito toneladas por hectare.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes